26 dezembro 2016

Entrevista - Hermes Müller - Mundo do Tabuleiro


Saudações caros leitores, chegamos ao fim de mais uma temporada de entrevistas aqui no blog, sempre explorando várias temáticas ligadas ao mundo do colecionismo em geral. Um tema que ainda não havia sido abordado aqui nas entrevistas, mas que já figurou em reviews, era o de jogos de tabuleiro, que além de serem itens de coleção, proporcionam momentos de diversão ao lado da família e amigos. Pra falar um pouco sobre esse vasto universo e sua experiência nele, convidamos o criador do blog Mundo do Tabuleiro... Hermes Müller.

Yanker: Saudações, apresente-se pra nossos leitores.
Hermes: Olá, meu nome é Hermes H. Müller, nascido e criado em Joinville, tenho lá meus trinta e uns anos, rs!!... sou grande fã dos jogos de tabuleiro, e diria até um pouco mais, criar jogos é um segundo hobby, embora nos últimos tempos ande bem devagar nesse assunto, por conta de mudanças na minha vida profissional. Curto também ciclo turismo, que é um terceiro hobby, que somado a família, trabalho resulta em escolher o que vai fazer hoje, quando o assunto é justamente o hobby.


Yanker: Como começou sua história como jogador de boardgames?
Hermes: Jogar jogos de tabuleiro remonta a minha infância com jogos como Ludo, Xadrez, Damas, War, Operação MX1 (jogo de guerra), Detetive, Banco Imobiliário entre outros, também era baita apaixonado pelo futebol de botão. Naquela época (falo dos anos 70 para 80), nada de jogos eletrônicos, então era muito frequente, jogar jogos de tabuleiro e jogos de cartas, realmente tive uma infância muito feliz.


Yanker: Falando do seu blog Mundo do Tabuleiro, como surgiu a ideia e sua trajetória?
Hermes: A ideia do blog surgiu na Ilha do Tabuleiro, afinal mergulhado naquela ilha, havia alguns pioneiros como o Cacá do “E aí tem jogo”, que passava suas impressões sobre jogos e novidades, era algo diferente. Um blog de forma simplificada, não é mais nada do que seu espaço pessoal para escrever sobre um determinado assunto, cada blog tem seu estilo, o que acaba por agradar determinados seguidores e leitores.
Então quando a Ilha do Tabuleiro começou a entrar em declínio, onde eu era ávido frequentador e moderador, apoiado pelo meu amigo Witold, que já tinha um blog falando sobre bandas de rock, resolvi por fim começar com o Mundo do Tabuleiro.
Procurei criar um espaço com algumas características próprias, abri espaço para gente nova, clubes, jogos de guerra e uma miríade de outros assuntos variados ligados ao hobby, afinal era preciso fazer justiça com a palavra “mundo”, que compõem o nome do blog, hoje soma algo em torno de umas quinhentas postagens.


Yanker: Conte-nos também uma pouco de sua experiência como game designer, e sobre a Tércos Jogos.
Hermes: Por gostar de história, lia muita coisa sobre a segunda guerra mundial, tinha um amigo em particular que de comum, gostávamos do mesmo assunto, além dos jogos de tabuleiro, foi o pontapé (isso foi antes de ganhar o jogo MX1 da Grow). A ideia era criar um jogo de guerra, onde o fator sorte era moderado ou nulo (hoje penso diferente, sobre essa questão).
Daí quadriculamos uma cartolina, desenhamos uns carros de combate, canhões anti-carro e começou a brincadeira de criar jogos. Pouco tempo depois o meu amigo mudou para Florianópolis (em 1981), segui sozinho e daí nasceu o meu sistema, influenciado depois e melhorado ao conhecer o jogo da Grow. Criei outros jogos, inclusive um com foco nos filmes da trilogia Guerra nas Estrelas, imagina em plena febre do início da saga, eu tinha que ter isso em casa. Acabei por jogar todos fora depois de alguns anos, salvo o que hoje chamo de STB (sistema tático de batalha), um sistema de jogo de guerra que desenvolvo.
Só retomei o hobby por volta de 2005 para 2006, meio peixe fora da água, buscava um meio de lançar um jogo no mercado. O meu queridinho era o STB, mas pensei em um jogo de bolso, pequeno, vendido em caixa mostruário. Criei o Fronteira, já com feições de eurogame, tema medieval. De pronto desenvolvi outras sete expansões para este jogo, nunca lançadas. Nessa aventura (daí peixe fora da água), partindo de um preço final de loja, fiz o que achava certo, digo que o resultado não foi bom por uma série de fatores, embora no geral, resultou em aprendizado.
Um ponto que hoje acho muito importante, eu não participava de fóruns sobre o assunto, acompanhava alguns grupos, isso antes da Ilha, e deveria ter participado, metido a colher, só fui fazer a partir de 2008. 


Em 2007, criei a marca Tércos, vendi muitos jogos, mas nunca tirei nem de perto o dinheiro investido, mesmo bem depois.
Diante da experiência amarga de 2007, passei a pesquisar como produzir jogos de forma semi-artesanal, fruto de muita discussão na Ilha do Tabuleiro, que resultou em jogos da Tércos como o Mercadores de Dur Durany (2011), O Faraó (2012). Nesse meio tempo, uma ideia usada fora do Brasil a muito tempo, foi aplicada aqui por diversos criadores de jogos, os jogos print and play (imprima e jogue), a ideia básica é mostrar o seu trabalho. Muita gente fez e faz isso, inclusive eu, daí jogos como o Wabuh e Legião de 2007, Ases (2008) e O Jaceré Comeu (2011), com link para baixar os arquivos a partir do meu blog no Espaço Tércos.
Desde então muita coisa aconteceu, algumas boas iniciativas foram surgindo como o caso da Galápagos, a diferenciada MS Jogos, do Marcos Macri que é uma iniciativa bem Brasil, muito boa.
De minha parte a falta de tempo nos últimos anos, fez praticamente parar com a brincadeira, até criei alguns jogos novos como Watu Nyota, mas por enquanto não dá.

Yanker: Você tem uma temática preferida? Faz aí um top 10 com seus jogos favoritos.
Hermes: Eu gosto de conhecer jogos, não sou muito de repetir, mas por tema na certa sou baita fã dos jogos de guerra em geral, preferencialmente os jogos do tipo HC de nível tático.
Em geral para listar alguns jogos diversos que gosto muito, sem ordem de preferência e nem considerar temas:
- Race for The Galaxy (esse gosto muito, diria o meu top um)
- Puerto Rico
- Condutieri
- Goa
- Rá
- Railroad Tycoom
- ASL
- Five Tribes
- Alien Frontiers, entre muitos outros, notar que tem velharia, mas para mim são clássicos como o Goa e PR, que marcam e fazem diferença.


Yanker: Em sua opinião como está o mercado brasileiro para boardgames?
Hermes: Entendo que é bom e crescendo, muita gente mostrando serviço, tá assim de aspirante a autor (sem ofensas) e é preciso porém que haja  mais editoras, até para dar uma chance (embora isso seja complicado) para tanta gente.
As editoras tradicionais como a Grow tem feito sua parte, basta observar os seguidos lançamentos, que não seriam feitos sem haver a perspectiva do devido retorno do investimento, ainda mais por conta da atual conjuntura econômica, vide lá o recém chegado Istambul.
Faltam ainda bons eventos (como o WorldRPG FEST de Curitiba), no âmbito regional e nacional, são ótimos para divulgar jogos, pequenas editoras, autores, e tantas outras iniciativas. Neste meio é bom abrir um espaço para testes de jogos, olha que a moçada que vai nesses eventos, não demora em sentar envolta de mesa para experimentar novidades, talvez quem sabe concursos de criação de jogos, uma ótima vitrine e espaço para todos envolvidos neste mercado, cabe ai quem sabe a iniciativa de algum site.


Yanker: Quais a principais dificuldades enfrentadas atualmente pelos jogadores, e pelos designers brasileiros?
Hermes: Para os jogadores acredito que a compra de jogos novos seja o maior problema, principalmente por conta do preço dos jogos, que em geral é um produto caro. Lógico é um produto de mercado de nicho, impostos incidem com relevância, e importar é a melhor solução para obter variedade e novidades, que fatalmente interessa aos jogadores.
Já para os criadores de plantão, falta literalmente tudo. Eventos como citei anteriormente, concursos de criação, editoras novas, quanto mais melhor em qualquer negócio, mas principalmente para o consumidor final.
Mas também cabe aos aspirantes de autores, fomentarem isso, a grande maioria infelizmente, gosta de ficar esperando chover na horta. Sugiro então se reunir, por conta de interesses em comum, e criar eventos para atender essa falta, embora possa parecer uma iniciativa modesta, pode por fim quem sabe tornar-se um evento de sucesso. Não espere muito das grandes editoras, elas em geral não olham protótipos, por conta de problemas com direitos autorais, então pequenos, a união faz a força, nem só açúcar. Já que falei de iniciativas, é importante deixar a Lei de Gerson esquecida, lá num canto bem longe, não tem serventia nenhuma nesse meio.



Yanker: Muito obrigado pela participação, deixa aí um recado pros nossos amigos colecionadores.
Hermes: Agradeço a oportunidade, o espaço, desculpem me estender em alguns pontos. Colecionadores, todos de alguma forma somos, eu tenho lá alguns jogos de tabuleiros, miniaturas de carros de combate, gosto muito disso, faz parte de nós, do que somos, define muito dos que são nossos amigos e só por conta disso, já vale muito ter um hobby saudável, seja qual for.


3 comentários:

  1. Essa é uma coisa que não se vê todo dia! Uma entrevista contando sobre os bastidores do mundo dos jogos de tabuleiro! E com um monte de fatos curiosos e altamente elucidativos.

    Adorava jogos de tabuleiro quando era mais novo. Era muito divertido reunir o pessoal para jogar, sendo que um sacaneava o outro algumas vezes ou tinha até umas brigas. Jogava bastante Staff, War, Scotland Yard, Jogo da Vida e um de guerra espacial, em que cada jogador controlava uma raça alienígena, cada uma com um poder especial.

    É bom ver que ainda existe gente que desenvolve esses jogos, o que é algo bem difícil, sendo necessário criar algo que agrade ao público e consequentemente venda bastante. Sei como é e é preciso MUITA inteligência e sensibilidade para isso. Lembra um pouco o mercado de quadrinhos nacionais, mas pelo visto a coisa é mais dura, já que nem olham os protótipos. E realmente esquecer a Lei de Gérson é um elemento extremamente vital, que infelizmente muita gente deixa de fazer.

    Gostei muito dessa entrevista, com um depoimento vivo sobre um gênero que fez a minha cabeça e de muita gente por muito tempo, mas que atualmente parece relegado a um nicho. As perguntas foram pertinentes e as respostas esclarecedoras. Excelente trabalho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Usys! Realmente o Hermes destacou pontos que apenas quem está inserido tanto como jogador como criador, tem como analisar a fundo. Também gosto de boardgames, e sempre que posso jogo, é sem dúvida um ótimo divertimento. Acredito que anos de carência de bons títulos no mercado nacional, aliado ao advento dos jogos eletrônicos tenham afastado boa parte do público dessa atividade, é legal saber que aos poucos os jogos de tabuleiro tem voltado as mesas do pessoal. Abraços!!!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...